Sobre as nossas Finanças



A habilidade de gerenciar nossas finanças é crítica. Para nosso testemunho ao G.´.A.´.D.´.U.´. nos tem dado um mandamento eterno de sermos administrador dos recursos que ele colocou na terra. Um destes recursos, é claro, é o dinheiro.

No jardim do Éden, G.´.A.´.D.´.U.´. mandou Adão a guardar-se de uma porção da abundância do jardim. Por que deu a Adão tal ordem? Porque G.´.A.´.D.´.U.´. queria que Adão reconhecesse que ele era o proprietário de tudo, e que tinha colocado tudo aos cuidados de Adão.

O G.´.A.´.D.´.U.´. quis que Adão percebesse que ele era simplesmente o administrador dos recursos do Senhor. A mesma coisa é verdade para nós até hoje. Se nós vamos ser gerentes financeiros bem sucedidos, nós devemos reconhecer isto agora, tanto quanto Adão deveria ter reconhecido no Jardim do Éden, e que todo o mundo e toda a sua plenitude pertencem a ele, por tanto devemos cuidar para que tudo que nos e dado não seja destruindo. Deus não vai colocar grandes somas de riqueza em suas mãos se você tem buracos em seus bolsos!

A Bíblia nunca permite ou proíbe expressamente o ato de pedir dinheiro emprestado. A sabedoria da Bíblia nos ensina que normalmente não é uma boa idéia ficar endividado. Dívidas essencialmente nos tornam escravos daqueles a quem devemos. Ao mesmo tempo, em algumas situações endividar-se é um “mal necessário”. Enquanto o dinheiro for utilizado de forma sábia e os pagamentos da dívida forem gerenciáveis o ser humano pode tomar para si o fardo da dívida financeira, se necessário.

Quando um irmão empresta dinheiro a outro para fins comerciais, o emprestador pode esperar a devolução do empréstimo e também cobrar juros? Em Mateus 25:27 diz que aquele que toma emprestado põe o dinheiro a trabalhar por ele e a render mais, ai o emprestador pode de direito compartilhar da produtividade desse dinheiro se cobrar juros adequados. Entretanto em Êxodo 22:25, proibia a cobrança de juros sobre empréstimos feitos para aliviar a pobreza. O emprestador pode esperar receber de volta o que emprestou, mas é considerado errado lucrar com as dificuldades dum vizinho empobrecido. 

Seria um ato de misericórdia aquele que emprestar dinheiro e deixar de cobrar juros sobre o empréstimo. Ele estaria perdendo o apego neste dinheiro ao emprestá-lo. Ainda assim esta seria uma maneira de expressar gratidão a Deus pela sua misericórdia ao não cobrar juros de seu povo pela graças que lhe havia concedido. Assim como G.´.A.´.D.´.U.´. havia misericordiosamente tirado os israelitas do Egito quando eles eram nada além de escravos sem valor algum, e dado a eles uma terra, assim Deus também esperava que eles tivessem uma compaixão similar para com os seus próprios povo pobres.

Os cristãos estão em uma situação paralela. A vida, morte e ressurreição de Jesus pagaram ao G.´.A.´.D.´.U.´. o nosso débito causado pelo pecado. Agora, assim que tivermos oportunidade, nós podemos ajudar outros em necessidade, particularmente nossos irmãos, com empréstimos que não aumentem os seus problemas. 

Na construção do templo de Salomão todos tinha que trabalhar na obra e poucos tinha tempo suficiente de plantar a terra para comer, e pagar suas contas. Os nobres aproveitam-se desta situação, para emprestar dinheiro cobrando juros. Como não tinha como pagar, ia dando seus bens e escravizado seus filhos como forma de pagamento. 

Os nobres agiram contra a vontade do G.´.A.´.D.´.U.´. e emprestaram cobrando juros, de outros. O ânimo dos edificadores ficou enfraquecido, devido às duras perdas que os mais pobres sofriam. Como conseqüência a execução das obras também ficaram prejudicadas.

Em Levítico 25:35-37 diz: "Se alguém do meu povo empobrecer e não puder sustentar-se, ajudem-no como se faz ao estrangeiro e ao residente temporário, para que possa continuar a viver entre vocês. Não cobrem dele juro algum, mas temam o seu Deus, para que o seu próximo continue a viver entre vocês. Vocês não poderão exigir dele juros nem emprestar-lhe mantimento visando lucro".

Em Gênesis 3:19 diz ‘’No suor do teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás.

Estas palavras nos mostram que deste mundo não levaremos nada além do que podemos lapidar no espírito. Por isso que devermos refletir sobre nossos valores, pensar para que viemos ao mundo? Porque muitos têm que aprender pela dor? porque muitos só aprendem depois de passarem por maus momentos?. 

Caros Irmãos lembre que quando ajudamos o próximo estamos ajudando a nós mesmos, assim tornaremos nosso próprio caminho mais suave, lembre-se que a maior riqueza que pode ter o homem é a riqueza do espírito. 

Trabalho feito por:
M.´.M.´. Antônio Jacinto de Faria Martins
Aug.´. Resp.´. Loja Maçônica Fraternidade Justiça e Trabalho n:37
Or: Guaxupé MG

Nenhum comentário:

Postar um comentário